A AMD apresentou algumas das novas tecnologias presentes nos futuros processadores baseados na microarquitetura Zen. As CPUs Ryzen contam com novos recursos buscando otimizar melhor a capacidade disponível no hardware, utilizando de forma mais inteligente sensores e também a predição de futuros processos através de uma analise automatizada do fluxo de dados que passam pelo processador.

A palavra-chave para o ajuste avançado das frequências do processador é o SenseMI. Ele é capaz de adaptar o chip e levar a novos patamares de performance, operando dentro de limites térmicos e de consumo. Através do "Pure Power", ele "percebe" em tempo real o que a aplicação está fazendo, observando os sensores como tensão elétrica e temperatura do chip, e aplica uma otimização que é capaz de trazer o mesmo desempenho reduzindo consumo e aquecimento.

Essa tecnologia trabalha em conjunto com o "Precision Boost", que usa os mesmos sensores para ajustar as frequências nos momentos de necessidade de performance, utilizando as novas margens de desempenho para aumentar a capacidade da CPU ao invés de utilizá-la para reduzir o consumo, subindo frequências e alcançado maiores desempenhos. A evolução das frequências é bastante minuciosa, como o nome indica, e será feita em intervalos de apenas 25MHz.

O terceiro elemento é o "Extenden Frequency Range". Com soluções mais eficientes de resfriamento, como liquid cooling ou mesmo nitrogênio líquido, os processadores Zen irão ampliar suas frequências e mantê-las por um maior período de tempo em patamares mais elevados, obedecendo os limites térmicos e fazendo um melhor uso de sistemas de resfriamento mais potente,  escalonando desempenho de acordo com a eficiência com que ele for capaz de resfriar a CPU e manter o consumo em níveis predeterminados.

As CPUs Zen irão além do ajustes das frequências. Dentro da proposta da AMD de atuar em um futuro da computação onde o hardware atuará de forma instintiva e inteligente, o "Neural Net Prediction" utiliza o conceito de "predição" e inteligência artificial para acelerar os processos nas CPUs Ryzen. Observando os padrões de processos ocorrendo, a CPU é capaz de predizer necessidades das aplicações realizando as ações de forma a otimizar os recursos do processador.

O "Smart Prefetch" segue o conceito do item anterior, e antecipa a localização dos dados que serão utilizados pela aplicação baseado no padrão de atuação dos softwares, colocando-os disponíveis assim que necessário. Assim a CPU fica mais ágil ao ter à disposição os dados antecipadamente em seu cache.

Os processadores Ryzen serão lançados no mercado no início de 2017, junto com a nova plataforma AMD AM4, que será utilizada tanto de CPUs quanto APUs e contarão com recursos importantes como USB 3.1, DDR4 e NVMe. Os microprocessadores baseados em Zen são compostos pelos Summit Ridge, modelos de até 8 núcleos sem gráficos integrados e voltados a alta performance, os Bristol Ridge, com gráficos integrados e até 4 núcleos, os Naples, votlados a servidores e os Raven Ridge, focados em notebooks e dispositivos mais compactos.