O segundo jogo da "Fórmula 1" da atual geração chegou ao mercado com uma imensa novidade: um interessante modo Carreira. No ano passado, vários jogadores chegaram a criar um abaixo-assinado para que a Codemasters adicionasse uma funcionalidade na então versão de 2015, algo que não aconteceu. Todavia, para talvez compensar os jogadores, a produtora adicionou esse modo de forma exemplar na atual versão do game. Aliás essa inclusão foi o carro-chefe do marketing do "F1 2016", anunciado com pompas.

Tirando o modo Carreira, o jogo se manteve praticamente o mesmo da versão anterior, incluindo uma boa parte da narração, que acaba se tornando o maior defeito do game e que você verá ao longo da análise.

Jogabilidade
Carreira sólida para os fãs de F1

A versão do ano passado era, até então, tida por muitos como o melhor game de "Fórmula 1" no quesito jogabilidade e gráficos. O grande problema foi realmente não ter nenhum modo Carreira. O jogo era extremamente pequeno, uma surpresa bastante negativa. Até hoje nunca houve um modo Carreira consistente que realmente prendesse o jogador e o fizesse querer jogar cada vez mais. Nem mesmo nos primeiros games de "F1" da Codemasters, em que a carreira era algo simples e o jogador podia criar um piloto e escolher uma equipe para participar de toda temporada, com a inserção de algumas cenas de corte, possibilidade de ver mensagens, dentre outras coisas que, na verdade, não faziam diferença.

Hoje a coisa mudou. "F1 2016" traz um modo Carreira baseado na realidade do mundo da "Fórmula 1". Pela primeira vez o jogador tem que tomar decisões que afetam diretamente a sua performance nas pistas. Agora é preciso saber onde o carro mais carece de melhorias, qual é a prioridade da equipe, que tipo de pneu usar, até mesmo decidir se quer usar um pneu já desgastado para fazer aquela Pole Position "milagrosa" no treino oficial.

Sobra as melhorias na parte mecânica, é preciso saber dosar o uso delas. Não adianta investir tudo em motor, deixar o carro extremamente rápido, mas esquecer das outras áreas como aerodinâmica, sistema de combustível, e outras coisas mais. Acontece que se você investir apenas em motor, uma hora o carro vai ficar incrivelmente instável. Aconteceu durante os testes: apesar do carro estar bem mais rápido que outros nas retas, as curvas eram praticamente impossíveis de tangenciar corretamente.

Há ainda alguns desafios que dão pontos extras para o ranking do jogador e para uso nas melhorias do carro. Dentre eles há três específicos que são os testes com pneus, em que o jogador completa 4 voltas com os jogos de pneus em que o objetivo é não desgastar muito. Há, inclusive, um gráfico que mostra em tempo real o desgaste de cada um deles. Um outro em que o jogador treina o traçado ideal do circuito, tendo que completar as voltas passando por determinados locais na pista afim de fazer as tomadas e saídas de curva de forma ideal. Já no terceiro o jogador precisa fazer 3 voltas em ritmo de qualificação, com um tempo abaixo do predeterminado pela equipe.


Outra novidade interessante é a inclusão do Safety Car e da sua versão virtual chamada de VSC (Virtual Safety Car). Ambos funcionam de acordo com as regras oficiais da "Fórmula 1", inclusive com os pilotos tendo que obedecer regras de velocidade e atitudes durante as voltas lideradas pelo Carro de Segurança. A Volta de Apresentação também é uma novidade muito bem vinda, e que era muito reivindicada pelos fãs da modalidade. Durante esta volta inicial é preciso aquecer pneus e freios, e isso realmente faz diferença na largada, quando teoricamente os pneus estariam frios.

Nos testes, caso o jogador faça a volta de forma normal (sem os característicos "zigue-zagues" para o aquecimento dos pneus), o carro tende a derrapar mais facilmente na primeira curva. Há inclusive um painel que mostra os dados detalhados de cada pneu e também dos freios. Vale lembrar que essas novidades citadas acima só aparecerão caso o jogador faça corridas mais longas, com o mínimo de 25%. Além disso, com 25% do tamanho da etapa, há a possibilidade de traçar tática, incluindo o uso obrigatório de determinados tipos de pneus e, consequentemente, as paradas nos Boxes.


Gráficos
Ambientação perfeita

O visual dos carros está impecável, como é de praxe nos jogos da Codemasters. Os circuitos também estão em um nível acima em se tratando de texturas. Observe a qualidade do asfalto no momento da largada. Porém, o público ainda é relativamente feio. Alguns até são animados, mas mesmo assim de forma bem precária e genérica. Claro que isso não importa muito, já que é um jogo de corrida e o que você menos verá é o público. Mas vale o registro já que games de corrida mais recentes tem dado mais atenção ao público, como é o caso de "DriveClub" e os mais recentes games da franquia "Forza Motorsport".

Um detalhe bacana é o fato do jogador poder escolher vários horários dos treinos e provas. Você pode, por exemplo, correr em São Paulo no circuito de Interlagos durante o pôr do sol, o que deixa o jogo com um visual belíssimo! Além disso os efeitos climáticos foram melhorados, com mudanças em tempo real e qualidade impecável das poças d’água formadas na pista. O único problema, nessa parte da chuva, são as gotas d’água nos carros: são estranhas e por vezes mal feitas. Chega a destoar de forma negativa em relação ao resto do cenário. E o mais curioso nisso tudo é que em alguns jogos anteriores esse efeito de chuva batendo nos monopostos eram bem melhores.

 

Áudio
Contenção de despesas 

A qualidade sonora do "F1 2016" se mantém a mesma dos games anteriores. Apesar de boa, não há nada que se destaque. Pouquíssima coisa foi mudada, e para piorar, a narração em vários momentos é a mesma da edição passada. A narração continua com os britânicos David Croft e Anthony Davidson, inclusive as citações à equipe, que não existem mais. Obviamente que a única novidade são as falas relacionadas à nova etapa de Baku, no Azerbaijão.

O modo Carreira possui várias cenas de corte, desde encontros com a empresária no escritório local da equipe em cada circuito, até conversas com o chefe de engenharia responsável por adicionar os upgrades no carro. O problema é que a dublagem é incrivelmente fora de sincronia. A dessincronizarão é tão absurda que ficou parecendo filmes japoneses antigos, que até hoje são motivo para piadas. Realmente ficou ruim. Vale lembrar que esses problemas foram vistos na versão com dublagem em português do Brasil, não sendo possível testar a versão em inglês.

Multiplayer
22 jogadores juntos: caos instaurado

O multiplayer do "F1 2016" se manteve sólido, assim como a versão anterior. Com a possibilidade de 22 jogadores correrem juntos, a modalidade se divide em 2 partes. A primeira é a Corrida Personalizada, onde o jogador poderá criar sua sessão multiplayer, participar de uma ou criar um campeonato completo. 

A outra parte é a Organização de Competição, uma espécie de desafio online que se divide em 3 tipos de corrida pré-determinadas. A primeira delas é a Iniciante com 3 voltas; a segunda, é Velocista com 5 voltas e, a terceira, é a Resistência com 25% da distância real de cada prova. Vale lembrar que não há danos nos carros nos 3 tipos de corridas, e somente na Resistência há volta de qualificação.

É importante dizer que apesar do jogo permitir 22 jogadores em uma corrida, é válido ter cuidado e escolher bem contra quem vai correr, já que basta um único jogador "perna de pau" para transformar uma corrida inteira em um caos completo. Nos testes, não consegui correr contra 21 competidores, mas corri contra 15, e já foi o suficiente para alguns deles criarem uma confusão danada no grid, ora por incapacidade técnica de saber jogar, e ora por problemas no ping, o que gerava um lag enorme em alguns participantes.

AVALIAÇÃO:

Jogabilidade

9.0

Áudio

7.0

Gráficos

9.0

Multiplayer

9.0
Conclusão

A Codemasters se redimiu do fiasco do game anterior que, apesar de ser bonito, era extremamente simples e com pouco conteúdo. O modo carreira adicionado em "F1 2016" é o melhor de toda franquia. Pela primeira vez, ele prende a atenção do jogador, levando-o mais próximo ao mundo real da "Fórmula 1". Além disso, a adição da Volta de Apresentação e do Carro de Segurança são dois atrativos muito bem-vindos e aguardados por todos os fãs de corrida. Pode ser melhorado?  Sim, mas hoje pode-se afirmar que "F1 2016" é o melhor jogo de Fórmula 1 da Codemasters.


PRÓS
  • Modo Carreira interessante com 10 temporadas
  • Jogabilidade aprimorada para uso com controle
  • Personalização total das câmeras
  • Inteligência artificial melhorada
  • Volta de apresentação
  • Safety Car
  • Multiplayer para até 22 jogadores
  • Acessível a todo tipo de público
  • Mais opções de conversas e ajustes via rádio
  • É possível mandar o engenheiro calar a boca
CONTRAS
  • Dublagem totalmente fora de sincronia labial nas cenas de corte
  • Narração ainda robótica demais, sem emoção