Em agosto de 2011, a AMD inovou ao apresentar ao mercado, o primeiro processador do mercado a trazer consigo uma GPU totalmente integrada ao seu die – conceito conhecido como APU, ou unidade de processamento acelerado. Tratava-se do Fusion Vision A8-3850.

Apesar do conceito inovador, a APU ainda era baseada nos núcleos de processamento central “Stars” (geração K10.5), ou seja, dos tempos dos bons e velhos Athlons II e Phenoms II. Isso foi o fator principal para que a linha Fusion tivesse um desempenho “limitado” em tarefas gerais, sobretudo se comparado com os concorrentes da Intel. Em compensação, a GPU baseada na linha Radeon série 6000 era o grande destaque da então linha Fusion.

Passado pouco mais de um ano, eis que a AMD aprimorou suas unidades de processamento acelerado, ao disponibilizar núcleos de processamento x86 baseados no Piledriver, versão aprimorada da arquitetura presente na linha Bulldozer. Com isso, a companhia promete uma melhora no desempenho geral da APU, sem haver a necessidade de gasto de energia extra por isso.

Além disso, a companhia adicionou importantes instruções à sua nova geração de unidades de processamento acelerado, como é o caso do AVX, AVX 1.1, FMA3, F16C e AES, além da melhoria no sistema de overclock automático, chamado pela AMD de Turbo Core 3.0.

Contudo, a grande “estrela” da linha Trinity, é sem dúvida, a sua GPU incorporada. Mais moderna, baseada na arquitetura VLIW4 (mesma presente na linha Radeon 6900), as novas APUs da AMD prometem um desempenho gráfico sem concorrentes em sua categoria.

A Adrenaline recebeu para análise o A10-5800K, modelo top com TDP em 100W, 4 núcleos trabalhando em 3.8Ghz (chegando a 4.2Ghz via TurboCore), com 4MB de memória cache L2, GPU Radeon HD 7660D (384 Stream Processors) @ 800Mhz, suporte a memória DDR3 1866Mhz, e mais importante: multiplicadores destravados, facilitando assim o overclock por parte do usuário.

Nas próximas seções, nossos leitores irão conferir maiores detalhes da APU, como arquitetura, chipset e tecnologias, além, é claro, dos aguardados testes de desempenho.

 

As APUs da linha Trinity

A linha Trinity está dividida em 4 versões (detalhamento abaixo) com importantes diferenciais entre si.

A lógica por trás da nomenclatura segue o padrão adotado com as APUs da geração Llano, ou seja, o A em maiúsculo para definir que se trata de uma APU, seguido de um ou dois dígitos para designar a qual família pertence a unidade de processamento, e finalmente a numeração (iniciada pelo 5) formada pro 4 dígitos, para diferenciar os diferentes modelos entre cada família. Opcionalmente poderá haver a letra K ao final, indicando se tratar de um chip destravado, pronto para o overclock.

Assim, resumidamente, quanto maior a família e o número associado, mais poderoso é a APU.
Abaixo explicaremos um pouco mais os principais recursos de cada família:

A4-5000
Trata-se da linha de entrada do Trinity. A principal característica das APUs desta família, é a presença de apenas dois núcleos de processamento x86 Piledriver (dual core), 1MB de cache L2, suporte a memórias DDR3 em 1600Mhz, Radeon 7400 e TDP em 65W.

Até o presente momento, apenas o A4-5300 foi lançado. A APU trabalha em 3.4Ghz (podendo chegar a 3.6Ghz via TurboCore 3.0) com GPU Radeon HD 7480D (128 Stream Processors) @ 723Mhz.

A6-5000
Assim como o A4, a família A6 possui apenas dois núcleos x86 Piledriver, 1MB de cache L2 e TDP em 65W. Os diferenciais ficam por conta do suporte à DDR3 em 1866Mhz e Radeon HD 7500.

Pelo menos por enquanto, há apenas um representante desta categoria: o A6-5400K. A APU trabalha em 3.6Ghz (chegando a 3.8Ghz via TurboCore 3.0), com GPU Radeon HD 7540D (192 Stream Processors) @ 760Mhz. Outro diferencial é a presença de multiplicadores destravados, facilitando assim a vida dos overclockers.

A8-5000
Trata-se de uma família mais interessante, uma vez que apresenta não dois, mais sim quatro núcleos de processamento (portanto, uma APU do tipo quad core), além de 4MB de memória cache L2 e Radeon 7500 mais robusta. Quanto ao TDP, há modelos com 65W e 100W.

Há dois representantes aqui: o 5500 e o 5600K. Enquanto que primeiro trabalha em 3.2Ghz (chegando a 3.7Ghz), o segundo opera em 3.6Ghz (alcançando 3.9Ghz). Em ambos os modelos, a GPU empregada é a Radeon HD 7560D com 256 Stream Processors @ 760Mhz. Outro destaque em favor do 5600K – como o próprio nome sugere – é a presença de multiplicadores destravados.

A10-5000
Eis a linha mais poderosa da geração Trinity. Seu grande diferencial para as APUs A8, é a presença de uma GPU Radeon bem mais interessante, a 7660D com 384 Stream Processors @ 800Mhz. No mais, quantidade de núcleos, cache e TDP são os mesmos que a linha anterior, ou seja, respectivamente em 4 núcleos, 4MB de L2 e 65W/100W.

Ao menos provisoriamente, há dois modelos disponíveis: o 5700 e o 5800K. Além de possuir multiplicadores detravados, o A8-5800K tem ainda como vantagem sobre o seu “irmão menor”, clock maior (3.8Ghz, chegando a 4.2Ghz - contra 3.4Ghz, chegando a 4.0Ghz).

 

A arquitetura por trás do Trinity

Uma das grandes novidades das APUs da geração Trinity sobre a Llano é a utilização de núcleos de processamento x86 Piledriver, derivados da arquitetura modular (baseada no compartilhamento de recursos dentro do die da CPU) presente na linha Bulldozer FX. Foi a primeira vez em 8 anos que a AMD projetou uma arquitetura genuinamente inovadora para os seus processadores.

Embora a AMD tenha feito alguns aprimoramentos, a estrutura básica geral permanece basicamente a mesma. Cada módulo Piledriver possui a mesma combinação 2+1 de ponteiros de inteiro/ponto flutuante existente no Bulldozer. Há dois núcleos inteiros, cada um com seus próprios schedulers (responsáveis por selecionar um dos processos/threads disponíveis na memória e aloca-lo na CPU), caches L1 e unidades de execução. Entre os dois núcleos há um núcleo de ponto flutuante que pode lidar com instruções de uma das duas threads de cada vez. O núcleo de ponto flutuante único compartilha os dados da memória cache dos núcleos de inteiros duplos.


(Imagem do die da APU Trinity)

Uma das importantes novidades presentes na arquitetura Piledriver, é a troca do tipo de flip-flops. Para quem não sabe, tratam-se de simples pedaços de lógica, que armazenam algum tipo de dado ou estado [de processamento]. Tais flip-flops são muito comuns em diversas partes do processador, incluindo o início e fim do estágio de pipeline (técnica inicialmente usada em processadores RISC, que consiste em dividir o processador em vários estágios distintos).

O fluxo do processamento se dá mais ou menos da seguinte forma: o trabalho é realizado antes de um flip-flop e então entregue a este, ou a uma matriz de flip-flops. A saída deste processo torna-se a entrada para a matriz seguinte de lógica. Normalmente os flips-flops são elementos que trabalham de forma bem “certinha”: o dado permanece no sinal crescente do clock.

Em modelos de alta freqüência, no entanto, pode haver uma quantidade considerável de variabilidade ou instabilidade no clock. Para tanto deve-se gastar um bom tempo de desenvolvimento para garantir que o seu projeto possa lidar com essa instabilidade, ou  se incorpora uma lógica mais tolerante à instabilidade no clock. Na primeira opção, é necessário mais esforço, enquanto que na segunda, mais energia.

Enquanto que a AMD optou pela última opção (de forma a ganhar tempo) para o Bulldozer, o Pilerdriver é o resultado de um esforço sistemático para o desenvolvimento de flip flops menores e sem desvios de padrão. Isso só foi possível, graças à existência de tempo disponível. O resultado é uma considerável redução no consumo de energia do processador. De acordo com a AMD, houve uma melhora entre 10-20% no consumo dinâmico de energia comparado a um Bulldozer semelhante.


(Funcionamento do módulo Piledriver)

Na parte principal do processamento, os engenheiros da AMD “queimaram a pestana” para aprimorar o funcionamento do IPC (quantidade de instruções que um processador pode processar por pulso, a cada hertz gerado), que agora processa mais instruções por clock em relação ao Bulldozer, além de reduzir vazamento de energia, e possibilitar se atingir frequências de operação maiores. Outro benefício é que os schedulers estão agora mais eficientes em relação aos sinais livres.

Um interessante aprimoramento diz respeito às unidades de execução, que estão agora um pouco mais robustas. A AMD afirma que houve melhorias significativas na divisão de ponto flutuante e inteiro.

Os sistemas de prefetching (antecipação de dados) e previsão de desvios foram outras importantes melhorias empregadas nos núcleos de processamento Piledriver. Enquanto que as CPUs da geração Bulldozer fazem uma pré-busca seqüencial simples, as APUs da geração Trinity podem fazer a antecipação de dados (prefetching) de comprimentos variáveis, e através dos limites da página da memória cache L1. Nos Bulldozers, se os dados antecipados não forem usados (incorretamente antecipados), eles “entupirão” o cache com os dados mais recentemente acessados. No entanto, se os dados antecipados não forem imediatamente usados, é provável que eles nunca sejam utilizados. Já os núcleos Piledrivers imediatamente identificam os dados antecipados inutilizados como os menos recentemente utilizados, permitindo que o controlador de cache rapidamente evite-os, caso o prefetch esteja incorreto.

Uma importante mudança é a inclusão de um “perceptron branch predictor” (algoritmo de classificação supervisionada de uma entrada para uma de duas saídas possíveis - espécie de classificador linear - para o circuito digital de aprimoramento do fluxo de dados no pipeline de instrução) que complementa o preditor de ramo primário no Bulldozer. A idéia da utilização de um “perceptron branch predictor” é melhorar a precisão da previsão de ramo, necessário em estruturas altamente encadeadas. Esses tipos de ramificadores secundários são uma obrigação, uma vez que não há tamanho único quando se trata de ramificador de previsão.


(Melhorias no módulo Piledriver em relação ao Bulldozer)

Vale mencionar ainda que cada núcleo de processamento conta com 128KB de cache L1 (64KB para instrução + 64KB de dados), além de 1MB de L2 por core. Em compensação, a AMD extinguiu o L3 compartilhado.

Outra boa notícia foi a inclusão de novas instruções, como é o caso da AVX, AVX 1.1, FMA3, F16C e AES, além da melhoria no sistema de overclock automático, chamado pela AMD de Turbo Core 3.0.

 

A GPU Radeon 7000D

Conforme antecipado no início desta análise, o grande destaque da geração Trinity é o desempenho gráfico. Para tanto, a AMD equipou as APUs com GPUs Radeons HD 7000D.

Apesar do nome, tais chips gráficos não são baseados na arquitetura Southern Islands presentes, por exemplo, nas Radeons 7900 ou 7800. A “grande sacada” da AMD foi a utilização da arquitetura VLIW4 nas GPUs do Trinity, uma evolução frente ao VLIW5 (criada para as Radeons HD 5000) utilizado pelas APUs do Llano.

(Arquitetura VLIW5)


Enquanto que o VLIW5 (Very Long Instruction Word, 5:1 ratio) é composta de 5 unidades de Stream Processors (também chamados de ALUs), sendo 4 do tipo simples e 1 do tipo complexo; o VLIW4 (Very Long Instruction Word, 4:1 ratio) é formado por “apenas” 4 unidades de Stream Processors, sendo que todas preparadas para lidar com shaders de média complexidade.

Uma das grandes motivações para esta mudança deveu-se pela necessidade de se adequar à atual conjuntura. É que a AMD observou que cada vez mais os games estavam exigindo GPUs com VLIW com taxas na casa de 3,4. Assim, ao se retirar a unidade responsável por lidar com cálculos complexos e redistribuir sua função igualmente para 4 unidades, possibilitou uma maior eficiência global de processamento.

Outro importante benefício advindo pelo VLIW4 foi a redução na área do die do chip gráfico na ordem de 10%, aumentando assim o nível de performance por mm2 em relação ao VLIW5.

(Arquitetura VLIW4)

Vale ressaltar que apesar da AMD possuir o domínio da litografia em 28nm (via TSMC), as APUs Trinity (assim como o Llano) continua a utilizar o processo de fabricação SOI de 32nm da GlobalFoundries.

No total (somando CPU, GPU e Northbridge), as novas unidades de processamento acelerado têm área 246mm2 e 1,3 bilhão de transistores, contra 228mm2 e 1,45 bilhão de transistores no Llano.


(Bloco de diagrama da GPU Radeon HD 7000D presente nas APUs Trinity)

Conforme visto acima, a GPU da linha Trinity possui 6 clusters SIMD Engines por bloco, sendo que cada cluster SIMD é formado por 16 thread processors e 4 unidades de texturas (TMUs). Por ser baseada na configuração VLIW4, conforme já adiantado, cada thread processor conta com 4 stream cores. Desta forma, a Cayman possui um total de 384 Stream Processors (6 SIMD Engines x 16 thread processors x 4 stream cores) e 24 TMUs (6x4).

Para segmentar as 4 famílias de APUs Trinity (A10, A8, A6 e A4), a AMD utilizou versões diferentes das GPUs Radeons HD 7000D. Assim tem-se:

  • Radeon HD 7480D – linha A4 – com 128 Stream Processors (2 SIMD Engines x 16 thread processors x 4 stream cores) e 8 TMUs (2x4);
  • Radeon HD 7540D – linha A6 – com 192 Stream Processors (3 SIMD Engines x 16 thread processors x 4 stream cores) e 12 TMUs (3x4);
  • Radeon HD 7560D – linha A8 – com 256 Stream Processors (4 SIMD Engines x 16 thread processors x 4 stream cores) e 16 TMUs (4x4);
  • Radeon HD 7660D – linha A10 – com 384 Stream Processors (6 SIMD Engines x 16 thread processors x 4 stream cores) e 24 TMUs (6x4);

A utilização de uma GPU mais moderna possibilitou uma melhora significativa sobre o Llano, em tem se tratando de processamento do tesselation. Algo extremamente bem vindo em época de DirectX 11. Outro benefício diz respeito à codificação/decodificação de vídeos baseados no vídeo encoder H.264.

O novo chip gráfico trouxe um ganho computacional em até 53% maior do que as GPUs presentes no Llano, passando de 500 GLOPs para 763 GFLOPs (Radeon 7660D).

Assim como ocorreu com a geração anterior, as APUs Trinity suportam algumas Radeons dedicadas (off boards), caso o usuário deseja agregar mais “poder de fogo” 3D. No caso a linha A10, é possível adicionar uma Radeon HD 6670 ou 6570, enquanto que para o A8, apenas a Radeon 6570 é compatível. Já as famílias A6 e A4, suportam apenas a Radeon HD 6450.

O suporte à múltiplos monitores está garantido através da tecnologia Eyefinity.

 

A plataforma AMD A85X (socket FM2)


Antes da chegada da primeira geração da APU Llano, a AMD utilizava uma solução composta por Northbridge e Southbridge em suas placas mães, onde o Northbridge era responsável por tarefas como fornecimento das vias principais do PCI Express, facilitar a comunicação entre o Southbridge e a CPU e fornecer uma plataforma para gráficos onboard em alguns chipsets.

Já o Southbridge era utilizado primeiramente como um hub para as funções de entrada e saída, SATA, áudio e conexões de rede, enquanto fornece algumas camadas adicionais do PCI / PCI-E para conectividade de propósito geral.

Com a introdução do conceito de integração das macro estruturas das unidades de processamento acelerado da AMD, a companhia mudou significativamente a abordagem de construção do chipset, uma vez que todas as funções do Northbridge foram transferidas para o die da CPU, assim como a controladora de memória DDR3, saídas de vídeo para o controlador de gráfico e o PCI-Express x16 para placas gráficas.


(Recomendação chipset A55)


(Recomendação chipset A75)


(Recomendação chipset A85X)

AMD transferiu as funções típicas do Southbridge para uma solução tudo-em-um chamado de Fusion Controller Hub (FCH). Na época, duas versões de chipsets ou FCH foram disponibilizadas: o A55 e o A75. Ambas no novo padrão de pinagem, o socket FM1.

O A55 é a versão mais simples, suportando 6 portas SATA de 3Gbps, 14 portas USB 2.0 e 4 PCI Exprees x1. Já o A75 é bem mais robusto, com 6 portas SATA de 6Gbps (suportando RAID 0,1 e 10), 4 portas USB 3.0, porta eSATA multiplier (permitindo instalar mais de um HD em uma única porta SATA), 3 slots PCI de 32 bits, além das demais funções presentes no A55.


(Diagrama da plataforma A85X)

Com o Trinity, uma nova plataforma foi disponibilizada: o A85X. A principal mudança em relação aos seus dois “irmãos mais velhos” é a utilização de uma nova pinagem. Ao invés de 905 pinos do FM1, o A85X tem 904 pinos. Mais do que suficiente para a criação de um novo chipset: o FM2 (micro-PGA). Apesar disso, os dois sockets possuem a mesma dimensão (40mm x 40mm). Assim, os sistemas de refrigeração das linhas AM2, AM2+, AM3, AM3+ e FM1 são compatíveis com o novo padrão.

Vale ressaltar, que além do A85X, tanto o A75 quanto o A55 ganharão versões no novo socket.

Apesar da nova pinagem, a plataforma A85X tem pequenas mudanças em relação à A75, como é o caso da quantidade de portas SATA de 6 Gbps nativamente suportadas. São respectivamente 8 portas no novo FCH contra 6 no A75.

Outro recurso interessante é a possibilidade de utilizar duas GPUs em paralelo, através da divisão do PCI Express x16 em 2 x8.


(Diagrama da plataforma Trinity)

É importante ainda esclarecer, que o FCH comunica-se com a APU através de um link, chamado Unified Media Interface (UMI), que consiste de quatro PCI-E x1 para as transferências de entrada e saída, e para o gerenciamento do sistema. Isso resulta em uma largura de banda de interconexão de 2 GB/s, bem aquém, portanto, dos 4,16 GB/s (5.2 GT / s) encontrados no AM3. Contudo, a alta largura de banda do HyperTransport 3.0 entre o Southbridge e a APU não é mais necessária, uma vez que a FCH não contém nenhum demanda do PCI Express do Northbridge.

 

Demais Tecnologias

Dual Graphics
As APUs AMD apresentam a tecnologia Dual Graphics, permitindo a usuários que aumentem sua performance em gráficos 3D ao adicionar uma placa de vídeo dedicada AMD Radeon da série HD 6000, dependendo também se a placa-mãe utilizada oferece suporte à tecnologia (como as linhas de chipsets A85X/A75/A55 da própria AMD).


TurboCore 3.0
Uma das grandes novidades advindas com as APUs Trinity é o TurboCore 3.0, versão aprimorada do recurso que turbina automaticamente a CPU. Além de estar mais “esperto” no que se refere ao overclock dos núcleos do processador, o TurboCore 3.0 traz agora como diferencial, o aumento automático na frequência de operação da GPU integrada.

De forma simples, o TurboCore 3.0 funciona da seguinte forma: ao perceber que um aplicativo necessita de mais processamento geral (x86), o novo recurso reduz o clock da GPU (abrindo margem no TDP) e então aumenta a frequência de operação da CPU. Caso um programa exija de mais poder gráfico (como jogos), o TurboCore 3.0 faz o oposto, ou seja, reduz o clock da CPU para possibilitar o incremento na velocidade do chip gráfico.

Eyefinity
Embora a tecnologia de múltiplos monitores já seja bem conhecida dos proprietários de produtos da AMD, o Eyefinity nas novas APUs da companhia possibilitam a utilização de uma configuração de telas do tipo 3+1. Assim, é possível conectar até 3 monitores em um grupo Eyefinity, e um quarto em separado ligado à placa mãe (via DisplayPort).

RAMDisk
Junto com o TurboCore 3.0, o AMD Radeon RAMDisk  é uma das tecnologias mais interessantes presentes na geração Trinity.

A premissa da RAMDisk é muito simples: instalar o máximo de memória no sistema quanto for possível; em seguida, utilizar um software para criar uma partição; para então usar essa partição para rodar aplicações sensíveis a carga/carregamento.

Embora a AMD tenha dito que a RAMDisk é capaz de gerar uma partição (espécie de memória cache) de até 64GB, de fato, a tecnologia ficará limitada (ao menos por enquanto) a 32GB, visto que o socket FM2 conta com 4 DIMMs.

Assim como aconteceu na época da Radeons HD 5000 – onde a AMD manteve em segredo por algum tempo a tecnologia Eyefinity, a RAMDisk deverá ser habilitada via software em um momento posterior.

Memory Profile
A AMD introduziu ainda o recurso chamado Memory Profile, que automaticamente seleciona os tempos das memórias (memory timings) das DIMMs selecionadas. Trata-se de algo semelhante ao XMP Profile da Intel.

Utilizar a configuração do computador via BIOS para “turbinar” as memórias agora é coisa do passado para as novas APUs, com o Memory Profile.

Novas Instruções
Conforme adiantado no início desta análise, a geração Trinity traz um conjunto de novas instruções que junto com as já existentes, otimizam o processamento de uma série de fluxos de trabalho. São elas: MMX, SSE até a versão 4a, AES, Advanced Bit Manipulation (Manipulação de Bit Avançado), Advanced Vector Extensions (Extensões de Vetor Avançado), FMA3, AVX 1.1, AMD64, tecnologia de virtualização e Enhanced Virus Protection (Proteção de Vírus Avançado).

DDR3 mais veloz e eficiente
Um dos avanços advindos com as novas APUs é o suporte a memórias mais velozes, com clock de até 1866Mhz. Isto é fundamental não apenas para melhorar o desempenho geral da CPU, mas como também da GPU, visto que a RAM é utilizada também no chip gráfico.

Além de suportar memórias mais robustas, a controladora está mais inteligente. De forma a otimizar o consumo de energia, o clock da DRAM é automaticamente reduzido sempre que o sistema requisita uma pequena quantidade de dados.

Por último mas não por menos, as novas unidades de processamento acelerado suportam DIMMs de baixa voltagem (1.25V).

 

Máquinas/Softwares utilizados

Abaixo algumas fotos do processador e sistema com a mainboard ASUS F2A85-V Pro utilizada nos testes:

CONSIDERAÇÃO AMD A8-3850 e 3870K: Tivemos um problema com os testes de vídeo integrado das APUs A8-3850 e A8-3870K em reviews anteriores. A BIOS da mainboard socket FM1 que temos tinha incompatibilidades, entre elas com as memórias que estávamos utilizando nos testes, sendo que só detectamos o problema agora com a review do A10-5800K, quando atualizamos a BIOS da mainboard socket FM1 como sempre fazemos antes de novos testes. As APUs da série LIano da AMD tiveram bom ganho de desempenho frente aos testes anteriores, além de utilizarmos os últimos drivers da AMD. Removemos os testes dessas APUs de reviews anteriores visando evitar comparações injustas devido o problema de BIOS da mainboard. Infelizmente esse tipo de problema acontece e está acima de nossa dedicação, já que foi devido incompatibilidade entre diferentes componentes do sistema.

Nessa review atualizamos os testes de todas as APUs e também do HD Graphics 4000 do Core i7 3770K.

Máquinas utilizadas nos testes:
- AMD A10-5800K + ASUS F2A85-V Pro

- AMD A8-3870K + ASUS F1A75-V Pro
- AMD A8-3850 + ASUS F1A75-V Pro
- Intel Core i3-3220 + GIGABYTE GA-Z77X-UP7

- Memórias: 8 GB G.Skill ARES @ 1600MHz (2x4GB)
- SSD: Corsair Force Series GT 240GB SATA 3 SSD
- HD: Seagate ST31000528AS 1TB SATA II 7200RPM
- Fonte de energia (PSU): XFX ProSeries 850W PSU

Sistema Operacional e Drivers:
- Windows 7 64 Bits com Updates
- AMD Catalyst 12.8 WHQL
- Intel HD Graphics Drivers 15.26.5.2761

Aplicativos/Games:
- Adobe Photoshop CS6
- CiberLink MediaEspresso 6.7
- CineBENCH 11.5
- Sandra Lite 2012
- x264 FHD Benchmark 1.0.1
- wPrime 2.09

- 3DMark 11
- Aliens vs Predator (DX11)
- Crysis 2 (DX11)
- Far Cry 2 (DX10)

 

CPU-Z e GPU-Z

Antes de começarmos com os testes, nas imagens abaixo, que são screens do CPU-Z e GPU-Z, vemos alguns detalhes tecnicos da APU. Primeiro a tela do CPU-Z que mostra detalhes do processador, depois do GPU-Z que mostra detalhes do vídeo integrado.


 

Temperatura

Começamos os testes com a temperatura dos processadores comparados. Vale destacar que todos os processadores utilizam o cooler BOX, ou seja, o cooler que vem junto. 

Fizemos três testes, temperatura em modo ocioso, temperatura máxima após rodar o 3DMark 11 e temperatura máxima após rodar o wPrime como todos os núcleos do processador em uso.

Começamos pelo teste do sistema em modo ocioso, com bom comportamento do A10-5800K frente aos dois modelos TOP da geração anterior de APU da AMD. Bom porque o novo processador tem clock de 3.8GHz, consequentemente esquenta mais do que o A8-3850 (2.9GHz) e o A8-3870K (3.0GHz). Também podemos ver que ele esquenta um pouco menos que o Core i3-3220 que possui clock de 3.3GHz.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Sistema ocioso (idle)

OBS.:

  • Temperatura ambiente em 25ºC
  • Medida em graus Celsius
  • Quanto MENOR, melhor

[ TEMPERATURA (CPU) | AMD A10-5800K ]

AMD A8-3850
27
AMD A8-3870K
27
AMD A10-5800K
29
Intel Core i3-3220
29

Rodando o 3DMark 11 temos algumas mudanças na tabela, com o A10-5800K esquentando um pouco mais que os demais, algo esperado pelo seu clock ser o mais alto entre os modelos comparados. 

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Rodando 3DMark 11

OBS.:

  • Temperatura ambiente em 25ºC
  • Medida em graus Celsius
  • Quanto MENOR, melhor

[ TEMPERATURA (CPU) | AMD A10-5800K ]

AMD A8-3850
43
Intel Core i3-3220
43
AMD A8-3870K
44
AMD A10-5800K
46

Quando rodando o wPrime, aplicativo que estressa os núcleos do processador, vemos que o A10 se comportou muito bem, subindo pouco sobre a temperatura apresentada quando rodando o 3DMark11, ficando atrás apenas do A8-3850, modelo com o clock mais baixo entre os processadores comparados.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Rodando wPrime

OBS.:

  • Temperatura ambiente em 25ºC
  • Medida em graus Celsius
  • Quanto MENOR, melhor

[ TEMPERATURA (CPU) | AMD A10-5800K ]

AMD A8-3850
47
AMD A10-5800K
49
Intel Core i3-3220
50
AMD A8-3870K
51

 

Consumo de energia

Também fizemos testes de consumo de energia levando em conta duas situações, uma com o sistema em modo ocioso e outro com o sistema rodando o 3DMark 11.

Sistema ocioso
É preciso levar em consideração também as placas-mãe utilizadas. Enquanto os dois AMDs foram montadas em placas bem parecidas da ASUS, de baixo consumo, o Intel foi testado junto de uma Gigabyte top de linha. Assim, considerando também o consumo das mainboards, podemos observar uma grande diferença entre os AMDs e o Intel, com consumo mais de 50% mais elevado. O A10 consegue um resultado melhor que a A8 por causa de sua função de TurboBoost, que altera o clock do processador de acordo com a exigência do sistema.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Sistema ocioso (idle)

OBS.:

  • Consumo do sistema inteiro
  • Resultados em Watts
  • Quanto MENOR, melhor

[ CONSUMO DE ENERGIA | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K
38
AMD A8-3870K
42
Intel Core i3-3220
64

 3DMark 11
O maior indicador das verdadeiras diferenças entre o consumo dos processadores, desconsiderando suas mainboards, é o aumento entre o modo ocioso e o no teste com 3DMark 11. Podemos observar que há um crescimento de quase 100 Watts no consumo do A10, muito superior ao do Intel, que não chega a 30 Watts. O processador da AMD, assim, fica muito acima da rival. Isso pode ser explicado também pelo desempenho de sua GPU integrada, muito superior à presente no processador da Intel.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Rodando 3DMark 11

OBS.:

  • Consumo do sistema inteiro
  • Resultados em Watts
  • Quanto MENOR, melhor

[ CONSUMO DE ENERGIA | AMD A10-5800K ]

Intel Core i3-3220
91
AMD A8-3870K
126
AMD A10-5800K
135

 

Sandra 2012, wPrime

SiSoftware Sandra 2012
Com o teste de processamento aritmético do Sandra, o A10 consegue um aumento de mais de 8% em relação aos A8, mas fica quase 12% abaixo do i3.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Padrão

OBS.:

[ SANDRA - PROCESSOR ARITHMETIC | AMD A10-5800K ]

Intel Core i3-3220
48.69
AMD A10-5800K
42.87
AMD A8-3870K
39.62
AMD A8-3850
38.46

Com o teste de memória observamos que o A10 fica abaixo até mesmo da geração passada, os A8, em cerca de 7%, perdendo para o i3 com quase a metade do desempenho do rival.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Padrão

OBS.:

[ SANDRA - MEMORY BANDWIDTH | AMD A10-5800K ]

Intel Core i3-3220
20.00
AMD A8-3870K
14.60
AMD A8-3850
14.59
AMD A10-5800K
13.64

wPrime
Mais uma vez que o A10 perde até para os da geração passada. Agora, apesar da diferença ser ainda maior, chegando na casa dos 20%, o i3 também perde para os A8. Mesmo assim, o A10 consegue o menor desempenho entre todos.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

1024M

OBS.:

  • Resultados em segundos calculados pelo aplicativo
  • Quanto MENOR, melhor

[ WPRIME | AMD A10-5800K ]

AMD A8-3870K
419.889
AMD A8-3850
437.861
Intel Core i3-3220
518.903
AMD A10-5800K
547.062

 

CineBench, x264 FullHD, MediaEspresso

CineBENCH 11.5
Novamente, a geração passada consegue ficar à frente do A10, em mais de 5%, mas dessa vez o processador da AMD consegue superar o da Intel em pouco mais de 1%.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

R11.5: Teste modo CPU (multi)

OBS.:

  • Resultados em pontos calculados pelo aplicativo
  • Quanto MAIOR, melhor

[ CINEBENCH | AMD A10-5800K ]

AMD A8-3870K
3.59
AMD A8-3850
3.49
AMD A10-5800K
3.32
Intel Core i3-3220
3.28

x264 Full HD Benchmark
Neste teste, que consiste na conversão de vídeo em FULL HD (1080p), consegue o melhor desempenho entre os processadores testados, superando o A8-3870K por mais de 6% e o i3 em 15,15%.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Padrão

OBS.:

  • Resultados em FPS
  • Quanto MAIOR melhor

[ X264 FULL HD | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K
11.40
AMD A8-3870K
10.70
AMD A8-3850
10.40
Intel Core i3-3220
9.90

CiberLink MediaEspresso
O aplicativo MediaEspresso faz conversão de arquivos de vídeo. Entre suas características está o fato de utilizar o processamento do GPU para agilizar o processo, com suporte as principais empresas e tecnologias do mercado, AMD Accelerated Parallel Processing, Intel Quick Sync e NVIDIA CUDA.

Como podemos ver nos gráficos abaixo, o i3 fica muito acima dos demais. Isso acontece por causa da tecnologia da própria Intel, que supera até mesmo algumas placas de vídeo dedicadas da atual geração, como a GeForce GTX 660, por exemplo. Dessa forma, mesmo bem atrás, o A10 consegue um ganho de mais de 23% em relação à geração passada.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Teste COM uso do GPU, 1920x1080

OBS.:

  • Conversão de vídeo em formato .M2TS para .MP4 H264 - FULL HD
  • Teste com o tempo necessário para finalizar a conversão do vídeo (em segundos)
  • Quanto MENOR, melhor

[ CYBERLINK MEDIAESPRESSO | AMD A10-5800K ]

Intel Core i3-3220
23
AMD A10-5800K
100
AMD A8-3870K
130
AMD A8-3850
133

 

PS CS6, 3DMark 11

Photoshop CS6
Rodando o Photoshop CS6 fizemos dois testes, um que utiliza o processamento do CPU e outro que também pode usar o processamento do GPU desde que esse tenha suporte da Adobe.

Primeiro o teste aplicando o filtro Extrude no Photoshop CS6, com processamento todo pelo CPU. Vemos que o A10 supera em mais de 12% a sua geração anterior, mas fica com desempenho inferior ao i3 em 27,69%. 

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

CS6: Filtro Extrude (CPU)

OBS.:

  • Resultado em tempo decorrido para aplicar o filtro
  • Size: 10 pixels, Depth: 20, Random
  • Imagem de teste com resolução 5182x9754
  • Tempo medido em segundos
  • Quanto MENOR, melhor

[ ADOBE PHOTOSHOP | AMD A10-5800K ]

Intel Core i3-3220
682.6
AMD A10-5800K
944.0
AMD A8-3870K
1081.6
AMD A8-3850
1183.4

Agora aplicando o filtro Adaptive wide angle que utiliza o processamento do GPU para agilizar o processo. Na tabela abaixo, observamos que o A10 fica bem abaixo até mesmo dos A8, 30% a menos que sua geração passada, e quase 50% atrás do i3. A vantagem do processador da Intel provavelmente é tão grande por se tratar de um filtro que utiliza a tecnologia Intel Quick Sync, mesma que no teste do CiberLink MediaEspresso e que confere aos produtos da empresa grande vantagem sobre os demais.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

CS6: Filtro Adaptive Wide Angle (GPU)

OBS.:

  • Resultado em tempo decorrido para aplicar o filtro
  • Size: 10 pixels, Depth: 20, Random
  • Imagem de teste com resolução 5182x9754
  • Tempo medido em segundos
  • Quanto MENOR, melhor

[ ADOBE PHOTOSHOP | AMD A10-5800K ]

Intel Core i3-3220
89.7
AMD A10-5800K
112.0
AMD A8-3870K
120.1
AMD A8-3850
121.2

3DMark 11
Em nosso último "teste sintético",  podemos observar a já mencionada superioridade da GPU integrada do A10, que o posiciona mais de 28% acima da geração passada, 65% em relação ao i7 e praticamente 3,5 vezes melhor que o i3.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

ENTRY, 1024x600

OBS.:

  • Aplicativo baseado em DirectX 11
  • Resultados em pontos calculados pelo aplicativo
  • Quanto MAIOR, melhor

[ 3DMARK 11 | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K
2520
AMD A8-3870K
1961
AMD A8-3850
1809
Intel Core i7 3770K
1526
Intel Core i3-3220
721
Intel Core i5 2500K
* Não suporta DirectX 11

 

Aliens vs Predator

O A10 fica com desempenho mais de 7% acima dos A8, média de 32% em relação ao i7, e novamente com performance 3,5 maior que a do i3. É importante observar que, dependendo apenas da sua GPU integrada, o processador conseguiria rodar satisfatoriamente apenas na resolução mais baixa, única em que conseguiu ultrapassar os 30 fps.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

LOW, AA 0x AF 0x, 1280x720

OBS.:

  • Game baseado em DirectX 11
  • Resultados em FPS médio
  • Quanto maior, melhor

[ ALIENS VS PREDATOR | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K
40.3
AMD A8-3870K
36.8
AMD A8-3850
35.8
Intel Core i7 3770K
32.4
Intel Core i3-3220
12.4
Intel Core i5 2500K
* Não suporta DirectX 11

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

LOW, AA 0x AF 0x, 1680x1050

OBS.:

  • Game baseado em DirectX 11
  • Resultados em FPS médio
  • Quanto maior, melhor

[ ALIENS VS PREDATOR | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K
22.6
AMD A8-3870K
21.1
AMD A8-3850
20.4
Intel Core i7 3770K
16.5
Intel Core i3-3220
6.7
Intel Core i5 2500K
* Não suporta DirectX 11

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

LOW, AA 0x AF 0x, 1920x1080

OBS.:

  • Game baseado em DirectX 11
  • Resultados em FPS médio
  • Quanto maior, melhor

[ ALIENS VS PREDATOR | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K
19.6
AMD A8-3870K
17.9
AMD A8-3850
17.5
Intel Core i7 3770K
14.2
Intel Core i3-3220
5.9
Intel Core i5 2500K
* Não suporta DirectX 11

 

Crysis 2

A A10 se distancia das A8, abrindo a diferença para mais de 13% (caindo para 8% apenas a 1680x1050, efeito que também aconteceu em AvP). A diferença para o i3, no entanto, cai para mais de 100%. Ainda uma vantagem considerável da AMD, que também vê a vantagem sobre o i7 aumentar paralelamente à resolução. Novamente, a única resolução em que se conseguiria jogar foi a 1280x720. 

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

High, AA 0x AF 0x, 1280x720

OBS.:

  • Game baseado em DirectX 11
  • Resultados em FPS médio
  • Quanto maior, melhor

[ CRYSIS 2 | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K
36.7
Intel Core i7 3770K
33.1
AMD A8-3870K
32.3
AMD A8-3850
31.6
Intel Core i3-3220
17.2
Intel Core i5 2500K
* Não suporta DirectX 11

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

High, AA 0x AF 0x, 1680x1050

OBS.:

  • Game baseado em DirectX 11
  • Resultados em FPS médio
  • Quanto maior, melhor

[ CRYSIS 2 | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K
20.4
AMD A8-3870K
18.8
AMD A8-3850
18.5
Intel Core i7 3770K
17.4
Intel Core i3-3220
9.4
Intel Core i5 2500K
* Não suporta DirectX 11

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

High, AA 0x AF 0x, 1920x1080

OBS.:

  • Game baseado em DirectX 11
  • Resultados em FPS médio
  • Quanto maior, melhor

[ CRYSIS 2 | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K
18.3
AMD A8-3870K
16.2
AMD A8-3850
15.8
Intel Core i7 3770K
15.0
Intel Core i3-3220
8.4
Intel Core i5 2500K
* Não suporta DirectX 11

 

Far Cry 2

Abaixo, nos testes com o game "Far Cry 2", a A10 consegue desempenho melhor, permitindo jogabilidade aceitável nas três resoluções. A diferença para as A8 cresce para mais de 20%, e o processador da AMD volta a conseguir performance igual a 3,5 vezes à do i3, e observar um aumento da diferença quanto maior a resolução, ficando entre os 55% e 65%

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

HIGH, AA 0x AF 0x, 1280x720

OBS.:

  • Game baseado em DirectX 10
  • Resultados em FPS médio depois de rodar 2 vezes a resolução
  • Quanto maior, melhor

[ FAR CRY 2 (DX10) | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K
52.70
AMD A8-3870K
43.80
AMD A8-3850
41.45
Intel Core i7 3770K
33.46
Intel Core i5 2500K
18.16
Intel Core i3-3220
16.39

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

HIGH, AA 0x AF 0x, 1680x1050

OBS.:

  • Game baseado em DirectX 10
  • Resultados em FPS médio depois de rodar 2 vezes a resolução
  • Quanto maior, melhor

[ FAR CRY 2 (DX10) | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K
37.16
AMD A8-3870K
30.95
AMD A8-3850
29.29
Intel Core i7 3770K
23.24
Intel Core i5 2500K
11.79
Intel Core i3-3220
10.72

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

HIGH, AA 0x AF 0x, 1920x1080

OBS.:

  • Game baseado em DirectX 10
  • Resultados em FPS médio depois de rodar 2 vezes a resolução
  • Quanto maior, melhor

[ FAR CRY 2 (DX10) | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K
33.58
AMD A8-3870K
27.45
AMD A8-3850
25.84
Intel Core i7 3770K
20.43
Intel Core i5 2500K
10.39
Intel Core i3-3220
9.49

 

Overclock, Temperatura

Fizemos alguns testes overclockando o A10-5800K, primeiro pelo TurboEVO V, aplicativo da ASUS, e depois manualmente. Manualmente colocamos a APU trabalhando a 4.4GHz, 600MHz acima de seu clock padrão que é de 3.8GHz.Acima desse clock, por estarmos utilizando o cooler padrão, o sistema ficou instável. Vale destacar que através da tecnologia TurboCore o clock sobe de 3.8GHz para 4.2GHz quando o sistema precisa, como rodando um jogo, dessa forma teremos pouco ganho de desempenho em nossos testes, já que por lógica nós estamos subindo 200MHz sobre o clock de 4.2GHz.

Essa APU consegue ir além desse clock, mas como o propósito de nossa review não é o overclock, por se tratar de um produto de baixo custo, achamos que o interessante era mostrar seu comportamento com o cooler box, já que será o utilizado pela maioria dos usuários.

Abaixo as telas do CPU-Z e GPU-Z. Vale destacar que a tela do GPU-Z mostra clock errado, devido um bug da versão 0.6.4 do aplicativo. A GPU está trabalhando com clock de 1013MHz, 213MHz acima de seu clock original.

Temperatura
Aumento de 11 graus em relação ao seu clock base, deixando o A10 overclockado com temperatura superior ao i3 e ao A8-3870K.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

Rodando wPrime

OBS.:

  • Temperatura ambiente em 25ºC
  • Medida em graus Celsius
  • Quanto MENOR, melhor

[ TEMPERATURA (CPU) | AMD A10-5800K ]

AMD A8-3850
47
AMD A10-5800K
49
Intel Core i3-3220
50
AMD A8-3870K
51
AMD A10-5800K @ 4.4GHz
60

 

Overclock: CineBENCH, 3DMark 11

CineBENCH 11.5
Começamos os testes pelo software que mede desempenho do sistema quando renderizando uma imagem.

A melhora de apenas 1,51% é insuficiente até para alcançar os A8.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

R11.5: Teste modo CPU (multi)

OBS.:

  • Resultados em pontos calculados pelo aplicativo
  • Quanto MAIOR, melhor

[ CINEBENCH | AMD A10-5800K ]

AMD A8-3870K
3.59
AMD A8-3850
3.49
AMD A10-5800K @ 4.4GHz
3.37
AMD A10-5800K
3.32
Intel Core i3-3220
3.28

3DMark11
Uma melhora mais consistente que no teste anterior, aumentando em 10% o desempenho do A10, distanciando-o ainda mais dos demais.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

ENTRY, 1024x600

OBS.:

  • Aplicativo baseado em DirectX 11
  • Resultados em pontos calculados pelo aplicativo
  • Quanto MAIOR, melhor

[ 3DMARK 11 | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K @ 4.4GHz
2782
AMD A10-5800K
2520
AMD A8-3870K
1961
AMD A8-3850
1809
Intel Core i3-3220
721

 

Overclock: AvP, Crysis 2, Far Cry 2

Aliens vs Predator
Aumento irrisório de desempenho em relação ao clock base, pouco mais de um frame por segundo. Nada que vá afetar demais a jogabilidade.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

LOW, AA 0x AF 0x, 1280x720

OBS.:

  • Game baseado em DirectX 11
  • Resultados em FPS médio
  • Quanto maior, melhor

[ ALIENS VS PREDATOR | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K @ 4.4GHz
41.7
AMD A10-5800K
40.3
AMD A8-3870K
36.8
AMD A8-3850
35.8
Intel Core i3-3220
12.4

Crysis 2
Dessa vez, o ganho não chega nem a um fps. Um pouco decepcionante considerando que a GPU integrada também teve overclock.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

High, AA 0x AF 0x, 1280x720

OBS.:

  • Game baseado em DirectX 11
  • Resultados em FPS médio
  • Quanto maior, melhor

[ CRYSIS 2 | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K @ 4.4GHz
37.0
AMD A10-5800K
36.7
AMD A8-3870K
32.3
AMD A8-3850
31.6
Intel Core i3-3220
17.2

Far Cry 2
Ganho mais considerável de todos, quase 4 frames que aproximam a marca dos 60 fps indicados para jogabilidade perfeita. Ele ainda fica 4 fps abaixo da marca, no entanto.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

HIGH, AA 0x AF 0x, 1280x720

OBS.:

  • Game baseado em DirectX 10
  • Resultados em FPS médio depois de rodar 2 vezes a resolução
  • Quanto maior, melhor

[ FAR CRY 2 (DX10) | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K @ 4.4GHz
56.48
AMD A10-5800K
52.70
AMD A8-3870K
43.80
AMD A8-3850
41.45
Intel Core i3-3220
16.39

 

Dual Graphics, 3DMark 11

A tecnologia Dual Graphics consiste em unir o vídeo integrado da APU com uma placa de vídeo dedicada. Utilizamos a placa de vídeo recomendada pela AMD para os testes com o A1-05800K, uma Radeon HD 6670.

Abaixo temos algumas telas do sistema mostrando a configuração do Dual Graphics e a tecnologia ativada como comprova a tela do GPU-Z.

3DMark 11
Começamos os testes com o 3DMark 11, mostrando uma aumento de mais de 50% na performance em relação à GPU integrada trabalhando sozinha, e de mais de 36% em relação à HD 6670 sozinha.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

ENTRY, 1024x600

OBS.:

  • Aplicativo baseado em DirectX 11
  • Resultados em pontos calculados pelo aplicativo
  • Quanto MAIOR, melhor

[ 3DMARK 11 | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K Dual Graphics (6670)
3803
XFX Radeon HD 6670 1GB
2793
AMD A10-5800K
2520
AMD A8-3870K
1961
AMD A8-3850
1809
Intel Core i3-3220
721

 

Dual Graphics: Aliens vs Predator


Com a placa trabalhando junto, observa-se um aumento de mais de 150% em relação ao processador sozinho. Isso faz com que, juntos, processador e placa de vídeo consigam chegar muito próximos à marca de 60 fps em 1680x1050, considerada ideal para games. Também torna possível uma jogabilidade aceitável nas três resoluções, quando sozinho o A10 conseguia apenas a 1280x720.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

LOW, AA 0x AF 0x, 1280x720

OBS.:

  • Game baseado em DirectX 11
  • Resultados em FPS médio
  • Quanto maior, melhor

[ ALIENS VS PREDATOR | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K Dual Graphics (6670)
102.1
XFX Radeon HD 6670 1GB
69.5
AMD A10-5800K
40.3
AMD A8-3870K
36.8
AMD A8-3850
35.8
Intel Core i3-3220
12.4

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

LOW, AA 0x AF 0x, 1680x1050

OBS.:

  • Game baseado em DirectX 11
  • Resultados em FPS médio
  • Quanto maior, melhor

[ ALIENS VS PREDATOR | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K Dual Graphics (6670)
59.7
XFX Radeon HD 6670 1GB
40.2
AMD A10-5800K
22.6
AMD A8-3870K
21.1
AMD A8-3850
20.4
Intel Core i3-3220
6.7

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

LOW, AA 0x AF 0x, 1920x1080

OBS.:

  • Game baseado em DirectX 11
  • Resultados em FPS médio
  • Quanto maior, melhor

[ ALIENS VS PREDATOR | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K Dual Graphics (6670)
52.7
XFX Radeon HD 6670 1GB
35.6
AMD A10-5800K
19.6
AMD A8-3870K
17.9
AMD A8-3850
17.5
Intel Core i3-3220
5.9

 

Dual Graphics: Crysis 2

Com a 6670 trabalhando, a A10 consegue um aumento que quase dobra a sua performance nas duas resoluções mais altas. No entanto, nos três casos o desempenho é apenas levemente superior à da placa trabalhando sozinha, o que pode indicar que, mesmo com a GPU integrada, o game exige muito mais da dedicada, mesmo.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

High, AA 0x AF 0x, 1280x720

OBS.:

  • Game baseado em DirectX 11
  • Resultados em FPS médio
  • Quanto maior, melhor

[ CRYSIS 2 | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K Dual Graphics (6670)
65.8
XFX Radeon HD 6670 1GB
64.7
AMD A10-5800K
36.7
AMD A8-3870K
32.3
AMD A8-3850
31.6
Intel Core i3-3220
17.2

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

High, AA 0x AF 0x, 1680x1050

OBS.:

  • Game baseado em DirectX 11
  • Resultados em FPS médio
  • Quanto maior, melhor

[ CRYSIS 2 | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K Dual Graphics (6670)
40.5
XFX Radeon HD 6670 1GB
39.9
AMD A10-5800K
20.4
AMD A8-3870K
18.8
AMD A8-3850
18.5
Intel Core i3-3220
9.4

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

High, AA 0x AF 0x, 1920x1080

OBS.:

  • Game baseado em DirectX 11
  • Resultados em FPS médio
  • Quanto maior, melhor

[ CRYSIS 2 | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K Dual Graphics (6670)
35.2
XFX Radeon HD 6670 1GB
35.0
AMD A10-5800K
18.3
AMD A8-3870K
16.2
AMD A8-3850
15.8
Intel Core i5 2500K
* Não suporta DirectX 11

 

Dual Graphics: Far Cry 2

Novamente, o uso em conjunto da 6670 quase dobra a performance do processador nas resoluções mais altas, fazendo com que a marca de 60 fps seja batida nos três casos.

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

HIGH, AA 0x AF 0x, 1280x720

OBS.:

  • Game baseado em DirectX 10
  • Resultados em FPS médio depois de rodar 2 vezes a resolução
  • Quanto maior, melhor

[ FAR CRY 2 (DX10) | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K Dual Graphics (6670)
85.36
XFX Radeon HD 6670 1GB
70.93
AMD A10-5800K
52.70
AMD A8-3870K
43.80
AMD A8-3850
41.45
Intel Core i3-3220
16.39

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

HIGH, AA 0x AF 0x, 1680x1050

OBS.:

  • Game baseado em DirectX 10
  • Resultados em FPS médio depois de rodar 2 vezes a resolução
  • Quanto maior, melhor

[ FAR CRY 2 (DX10) | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K Dual Graphics (6670)
73.21
XFX Radeon HD 6670 1GB
51.25
AMD A10-5800K
37.16
AMD A8-3870K
30.95
AMD A8-3850
29.29
Intel Core i3-3220
10.72

CONFIGURAÇÃO PARA O TESTE:

HIGH, AA 0x AF 0x, 1920x1080

OBS.:

  • Game baseado em DirectX 10
  • Resultados em FPS médio depois de rodar 2 vezes a resolução
  • Quanto maior, melhor

[ FAR CRY 2 (DX10) | AMD A10-5800K ]

AMD A10-5800K Dual Graphics (6670)
66.86
XFX Radeon HD 6670 1GB
45.75
AMD A10-5800K
33.58
AMD A8-3870K
27.45
AMD A8-3850
25.84
Intel Core i3-3220
9.49

 

Conclusão

Conforme evidenciado em nossos testes, a nova geração de unidades processamento acelerado da AMD – liderado pelo A10-5800K – mostrou um comportamento completamente distinto, comprovando o que o mercado já esperava: a vocação para o processamento gráfico.

Enquanto que o Trinity arrasa a concorrência em se tratando de games, o mesmo não pode ser dito do processamento de tarefas gerais.

O A10-5800K chegou a “decepcionar” em alguns testes, ficando atrás até mesmo de seus irmãos A8-3870K e 3850 (geração Llano). Já em outros, a nova APU da AMD ficou bem posicionada, mas nada de excepcional.

Um dos responsáveis por “segurar” o desempenho dos Trinity é o uso da litografia em 32nm, a mesma utilizada em várias CPUs e APUs de gerações passadas. Com isso, os engenheiros da AMD não conseguem elevar os clocks dos chips em patamares mais elevados, sem jogar o TDP para a “estratosfera”. Outro ponto que parece influenciar negativamente diz respeito ao IPC (conjunto de instruções processadas por ciclo de clock), bem como a limitada quantidade de memória cache L2.

Apesar disto, a nova geração de APUs da AMD se revela uma opção extremamente interessante para o público gamer casual e intermediário, uma vez que oferece condições para rodar títulos interessantes do mercado com qualidade decente para o segmento. O melhor de tudo é a possibilidade de acoplar uma Radeon off board de baixo custo, acrescentando assim mais “poder de fogo” ao sistema, e com isto, rodar games mais pesados, ou mesmo com qualidade mais elevada.

Outro nicho atraente para o Trinity é o de HTPCs, isto é, quem deseja transformar o PC em uma central multimídia, além é claro, para aqueles usuários que necessitam de um computador para o uso trivial do dia a dia, como navegar na internet, usar uma suíte de escritório etc.

A nova unidade de processamento acelerado A10-5800K (geração Trinity) é a solução ideal para o gamer que não está disposto a gastar uma pequena fortuna em um PC para rodar os jogos em condições satisfatórias em termos de jogabilidade.

AMD A10-5800K

AVALIAÇÃO:

Performance

8.0

Preço

8.5

Tecnologias

10.0

Inovação

9.0

Overclock

9.0

Nota final

PRÓS
  • A GPU integrada Radeon HD 7660D é um arraso!;
  • APU destravada de fábrica;
  • O TurboCore está muito mais "esperto" e eficiente;
  • Ótimas tecnologias embarcadas, como Eyefinity, Memory Profile e RAMDisk;
  • Suporte às novas instruções, tais como, AVX, AVX 1.1, FMA3, F16C, AES;
  • Suporte à DDR3 1866Mhz;
  • Melhor gerenciamento de redução de energia.
CONTRAS
  • O desempenho em tarefas gerais é o grande "Calcanhas de Aquiles" da APU;
  • Litografia em 32nm "trava" uma maior evolução do Trinity;
  • Necessidade de uma placa mãe socket FM2.