Tecnologia

Atualizando para iOS 5: mini-tutorial e primeiras impressões

19/10/2011 14:50 | | @twitter







E então saiu o iOS 5. A nova versão do sistema operacional móvel da Apple promete mais de 200 novos recursos para os iPods touch, iPhones e iPads e, se você não tem um iPhone 4S, que já vem com a plataforma instalada, vai precisar fazer a atualização no braço. Mas não há motivo para pânico. Como é de costume, o processo é fácil, bastando apenas alguns longos minutos de download e de conexão com o iTunes com cabos. Provavelmente pela última vez!



Os procedimentos a seguir foram feitos com um iPad de primeira geração, mas vale para qualquer aparelho da Apple compatível com o iOS 5. Antes de mais nada, certifique-se de que seu gadget está com uma boa carga, para evitar maiores incômodos. Depois, caso você ainda não tenha o iTunes 10, baixe-o. São 66MB, obrigatórios para a atualização para o iOS 5.

Depois, é só conectar seu gadget ao computador e abrir a mais nova versão do iTunes.
O primeiro passo é efetuar um backup. Nunca se sabe o que pode acontecer nesses processos de atualização e, se alguma coisa der errado, você poderá restaurar todo o seu portátil do jeitinho que estava antes. Além disso, após a atualização, o iTunes pode solicitar que você configure seu dispositivo como novo ou como o backup de um antigo. Espere o iTunes reconhecer seu gadget e clique com o botão direito sobre ele, selecionando a opção “efetuar backup”.



Depois de alguns minutos, o processo terminará e você vai ter uma opção segura para restaurar seus dados como estavam antes. Agora, é hora de preparar sua máquina para uma longa espera pelo download, dependendo da velocidade da sua conexão.

Existem duas maneiras de atualizar o iOS. Na primeira, basta clicar no dispositivo que você deseja atualizar, no menu do iTunes, e clicar em “Atualizar”. O iTunes irá se comunicar com os servidores da Apple e baixar o upgrade. Como o “hype” em torno do sistema é grande, os servidores andaram congestionando um pouco, portanto, não estranhe se você receber uma mensagem de erro. É só repetir o processo quantas vezes forem necessárias até o download chegar. Se quiser deixar a poeira baixar um pouco e tentar outro dia, também não tem problema: seu iPhone, iPad ou iPod touch continuará funcionando como antes.



Quando o download terminar, o iTunes irá atualizar seu aparelho automaticamente. Se o software perguntar se você deseja configurá-lo como um novo dispositivo ou um backup do antigo, a escolha é sua. É lógico que eu recomendo o backup, mas você pode querer começar tudo do zero.

 

Fazendo o download sem o iTunes

O segundo método (por sinal, o que eu mesma utilizei) consiste em, primeiro, baixar separadamente o arquivo .ipsw referente ao seu aparelho e, depois, “aplicá-lo” no iTunes. É uma maneira mais tranquila de fazer o download sem depender do software da Apple. Os links para cada dispositivo estão a seguir:

Download iOS 5 iPhone 4 (GSM)
Download iOS 5 iPhone 3GS
Download iOS 5 iPad 2 WiFi
Download iOS 5 iPad 2 GSM
Download iOS 5 iPad
Download iOS 5 iPod touch 3G
Download iOS 5 iPod touch 4G

Agora, é hora de depender do iTunes novamente. Ao abri-lo, o procedimento é semelhante ao anterior: é preciso selecionar o dispositivo desejado, clicar com o botão direito e efetuar o backup – se você não fez isso ainda. Neste caso, o backup é mais do que necessário, já que, inevitavelmente, tudo o que você tem armazenado no aparelho será apagado.



Feito isso, ao invés de clicar em “atualizar”, agora a opção correta é “restaurar”. Mas com um detalhe: você precisa clicar no botão enquanto segura a tecla Shift (no Windows) ou Option/Alt (no Mac). Só assim o iTunes vai dar a opção de selecionar o arquivo .ipsw que você salvou anteriormente.

Depois, peça para o iTunes configurar o aparelho como um backup do anterior e pronto! Você está a apenas alguns passos de aproveitar os benefícios do iOS 5.



Antes disso, porém, o seu aparelho vai pedir algumas configurações. Basta você selecionar as opções que desejar. O processo não leva mais de cinco minutos. Não se esqueça de marcar, no iTunes, a opção “sincronizar via Wi-Fi” se você quiser se livrar dos cabos. Se quiser, agora você também pode optar por usar o sistema de armazenamento e backup na nuvem iCloud.
Pronto! Agora é só começar a fuçar nas novas funcionalidades do iOS 5.



Uma das principais novidades é a possibilidade de ligar o dispositivo de cara e já sair usando, na primeira vez. Antes, ao tirar um novo gadget Apple da caixa, você precisava correr para um computador para sincronizá-lo com o iTunes antes de usá-lo pela primeira vez. Agora, bastam algumas configurações iniciais no próprio portátil e pronto, já dá para ter um gostinho do iOS.

O iOS 5 deixou os iGadgets mais independentes dos fios. O iTunes ainda é exigido para gerenciar sua biblioteca de mídia, mas você agora pode fazer isso via Wi-Fi. Infelizmente, as coisas não têm funcionado tão bem para todo mundo. Há vários relatos de pessoas que simplesmente não conseguem fazer isso porque o aparelho, aparentemente, não reconhece o computador pela rede, por alguma razão inexplicável. Isso aconteceu, por exemplo, comigo mesma.

Outra novidade visível é a nova barra de notificações, semelhante à do Android. Finalmente, o iOS parou com aquela coisa de enviar notificações pipocando na tela e concentrou tudo em uma elegante barrinha no topo da tela. Ao tocar em algum item, imediatamente o aparelho abre o app que enviou a notificação.


 

Mais novidades e uma reclamação

A integração nativa com o Twitter é outra novidade muito bem-vinda. Agora, você pode twittar fotos, por exemplo, diretamente da galeria do iOS. Basta selecionar a imagem desejada e ir até o menu de opções, que exibirá o novo recurso. Um pop-up abrirá para você digitar o texto e... pronto! Também dá para twittar diretamente do próprio Safari.E já que estamos falando de mensagens, o iOS 5 traz um novo app com influência dos BlackBerries, o iMessage, serviço próprio de troca de mensagens instantâneas sem custo adicional e sem depender de serviços de SMS de operadoras. Basta estar conectado à Internet.



Sabe algo que facilita muito a troca de mensagens? O teclado dividido, especialmente para quem tem mãos pequenas. Ainda não é algo tão fabuloso e “mágico” (como o próprio Steve Jobs adorava dizer) como o Swype, do concorrente Android, mas já ajuda bastante. Se você tocar por um tempo o ícone que exibe ou oculta o teclado, verá a opção de “dividir”. Com isso, cada metade das teclas ficam em um canto do display e, assim, você não vai mais precisar esticar os dedos feito um louco para digitar com as duas mãos. E, acredite, isso diminui MUITO o número de erros e dá uma boa incrementada na agilidade da digitação. Mas, repito: algo no estilo do Swype seria simplesmente perfeito.



Há um novo app de lembretes, uma solução prática para criar anotações rápidas e alertas para não se esquecer de alguma coisa. É um aplicativo bastante simples, nada indispensável, mas cumpre seu papel. Outro app novo é a “Banca”, semelhante ao iBooks, mas, como o nome já sugere, específico para revistas e jornais. Ele facilita a compra dessas publicações na iTunes App Store e organiza-as em uma charmosa prateleira, sendo que os ícones em miniatura dos periódicos podem ser vistos dentro do próprio ícone do app na homescreen.



E eis que surge uma tremenda bola-fora da Apple. Um dos recursos mais esperados do iOS 5, os novos gestos multitouch, que já estavam sendo testados por muita gente na versão beta, simplesmente foi capado da primeira versão do iPad. É o meu caso, portanto, não pude testar a novidade. É uma pena, porque eles aprimoram muito a multitarefa, ao permitir a troca de aplicativos simplesmente ao deslizar quatro dedos para os lados. Além da possibilidade de aposentar o botão Home, usando outro gesto para voltar à tela inicial. Quem já sofreu com falhas nesse botão, como eu, sabe bem a falta que isso faz.



Mas há um paliativo: o AssistiveTouch, introduzido na nova versão do sistema. Na verdade, é um recurso de acessibilidade para pessoas com dificuldades em tocar a tela ou que usam acessórios especiais, mas serve como uma alternativa ao botão físico. Ao ativá-lo, surge essa pequena esfera semitransparente que você viu nas screenshots. Ao tocar nela, o iPad exibe um menu com várias opções, como atalhos para funções do aparelho (como diminuir e aumentar volume e bloquear a tela) e uma opção para voltar ao início. Dois toques nesse botão virtual, inclusive, ativam a multitarefa. Ou seja, dá para aposentar o botão Home de vez.



O iPad 1 também ficou sem o editor nativo de fotos. Isso pode até fazer algum sentido, já que o portátil não tem câmera. Mas nada impede que as pessoas queiram editar as fotos que têm armazenadas na galeria. Sempre faço isso com o Photoshop Express, por exemplo. Não é porque não tenho uma câmera que não vou querer guardar e modificar fotos no meu gadget, certo?

No mais, não notei significativas mudanças de desempenho nem de autonomia. Felizmente, a atualização, para mim, ocorreu rapidamente, sem bugs e nem incômodos, e em quatro dias de utilização tudo andou nos conformes. É uma pena que a Apple tenha recusado alguns recursos para o iPad 1 sem razão aparente, pelo visto, forçando o interesse no segundo modelo. Quem sabe, uma atualização futura possa trazer esses recursos tão desejados para o aparelhinho, que ainda nem está tão velho assim.