Internet

IE 9, Chrome 10 e Firefox 4, a disputa entre os browsers continua

27/03/2011 18:55 | | @twitter







Foi-se o tempo em que o Internet Explorer era disparado o principal navegador utilizado em todo o mundo. Após passar o Netscape, na segunda metade dos anos 90, o browser virou líder absoluto de mercado no começo dos anos 2000, chegando a ter mais de 94% de market share em 2003. Porém, depois de algumas ações antitruste, como a da União Européia, por exemplo, devido ao navegador ser o único já instalado em computadores com novos com o sistema operacional Windows, a importância do IE começou a cair.

Outros browsers também entraram no mercado, como o Mozilla Firefox e o Google Chrome, o que criou uma boa concorrencia. Desde 2003, o IE só perdeu espaço, chegando a marca de apenas 45% de market share em fevereiro de 2011. O Chrome, que foi lançado em setembro de 2008, vem ganhando espaço rapidamente e chegou aos 16% de fatia de mercado também em fevereiro desse ano. O Mozilla Firefox se mantém na média dos 30% desde 2009.

Nas últimas semanas, os principais navegadores lançaram suas últimas versões para o mercado. O Internet Explorer 9, o Google Chrome 10 e o Mozilla Firefox 4. Nós, do Adrenaline, montamos esse artigo apresentando para você as principais novidades e diferenças entre os três browsers.

Update: Não realizamos os testes com os navegadores Opera e Safari, pois ambos não chegam a 10% do total de pessoas que usam a internet. Optamos por fazer os testes com as recentes versões dos três maiores navegadores do mercado, pois são os que realmente estão brigando pela liderança de qual é mais utilizado. Porém, poderemos incluir os dois navegadores em um próximo artigo.

 

Layout

A tendência dos últimos tempos é que os navegadores sejam cada vez mais limpos, com poucas informações e barras de ferramentas aparecendo na página, diferente de como era na época do começo do Firefox, ou do IE6.

Todos os ícones, como o de atualizar, parar e página inicial, que antes ocupavam uma barra inteira na parte superior dos browsers, agora estão praticamente escondidos. O visual minimalista parece ser a principal diferença nos layouts em comparação com as versões anteriores dos navegadores.

Google Chrome 10
O Google Chrome foi, dos três browsers analisados, o que menos mudou ao longo dos anos. Talvez por ter sido o último a ser lançado, o que aconteceu em agosto de 2008 e, desde a primeira versão, ele já vir com um visual mais limpo, o que só aconteceu com os outros ao longo do tempo.

No layout da versão 10, o navegador tem poucas diferenças em relação a sua anterior. Na verdade, não tem grandes diferenças nem em relação ao Chrome 1.0. Na parte superior ainda aparecem somente as abas e a barra de endereços. Os únicos botões que aparecem são o de voltar, avançar e atualizar, e o botão de ferramentas no lado direito.


É muito fácil também mudar o tema do Chrome, já que assim que é feito o download, o usuário pode escolher, em uma das abas, qual tema colocar, ao contrário do Firefox, por exemplo, onde tem que ser aberto o menu para modificar isso. Os favoritos podem ficar escondidos ou aparecer logo abaixo da barra de endereços.

Mozilla Firefox 4
O Firefox teve um ano de 2010 não muito bom, para seus usuários. Depois do lançamento da versão 3.6, em janeiro, foram intermináveis os dias de espera até que acontecesse o lançamento do Firefox 4. Mesmo os maiores entusiastas da Mozilla admitem que a versão 3.6 está para a Mozilla assim como o IE6 está para a Microsoft. Um navegador pesado, com alguns erros e que estava longe de representar o bom desempenho que os seus antecessores tiveram, claro, isso comparando-se com os concorrentes. Mas a espera foi compensada e no dia 22 de março desse ano, quando a Mozilla lançou ao mercado o Firefox 4, que não decepcionou.


No layout, o visual seguiu o modelo adotado por todos os outros principais navegadores. Limpo e quase minimalista, com botões menores e, às vezes, quase escondidos. As abas são quadradas, ao contrário do Chrome que tem as abas com bordas arredondadas, mas se situam na parte superior, assim como o seu concorrente. O menu também fica no canto superior direito, em laranja, o que pode facilitar para que ele seja encontrado. Como é de costume, ao lado da barra de endereços tem o campo para pesquisa.

Internet Explorer 9
O IE9 revolucionou. Essa é a palavra correta para descrever as mudanças que aconteceram entre ele e seu antecessor. Claro, não revolucionou no sentido de trazer coisas novas e que não havíamos visto ainda em outros navegadores, mas é um browser extremamente superior ao IE8, em todos os sentidos, e também no visual.

As diferenças entre o Internet Explorer 9 e o IE8 são percebidas logo que se abre o browser. O visual está mais leve e clean, assim como os outros dois navegadores analisados. Limpando a "cara" do navegador, a Microsoft conseguiu resolver um dos principais problemas que ele tinha: a velocidade. Agora o IE está competitivo com seus concorrentes, o que não acontecia com a sua versão anterior.

Tirar todas aquelas parafernalhas que apareciam no browser também ajudou a ter mais área para que a página aparecesse, que, convenhamos, é o que realmente importa quando você está navegando na internet.

Quanto aos ícones, eles se tornaram mais discretos. Os botões de Favoritos, Configurações e Página Inicial foram colocados na extremidade direita da tela e a barra de endereços, que agora não ocupa mais toda a extensão do navegador, está colocada apenas no lado esquerdo.

 

Complementos

A funcionalidade dos navegadores pode ser medida pelo número de complementos que ele tem para facilitar a vida do usuário, e nisso, o Firefox é imbatível. A versão quatro do browser continua sendo a que tem o maior número de complementos, embora o Google Chrome esteja lançando com a Chrome Web Store, que é a tentativa de trazer para o âmbito dos navegadores uma ideia parecida com a que a Apple desenvolve com a App Store. Nesse sentido, o Internet Explorer 9 ainda está muita atrás dos concorrentes, visto que conta com pouquíssimos add-ons.

Google Chrome 10
Talvez a grande inovação do Google Chrome na área de complementos foi a criação da Chrome Web Store. Nela, ficam centralizados todos os aplicativos e jogos possíveis de ser usados tanto no navegador Chrome como no Chrome OS, o sistema operacional na nuvem em que a Google está trabalhando.


A loja funciona como a App Store, da Apple, e pode ser acessada aqui. Nela você encontra extensões, aplicativos e temas. Embora ainda não tão completa, a loja traz alguns aplicativos interessantes para serem usados, como o Tweetdeck, por exemplo, e várias outras extensões. Vale a pena dar uma olhada caso você use o Chrome e ainda não a conheça.

Mozilla Firefox 4
O Firefox é conhecido por ser, de todos os navegadores, o que conta com maior quantidade e melhores complementos, com mais de cinco mil disponíveis. Boa parte disso graças aos entusiastas que colaboram com o navegador, por ele ser opensource.


Uma das principais diferenças quanto aos add-ons nessa versão é que agora não é mais necessário reiniciar o navegador quando se instala uma extensão, algo que podia ser chato para quem estava com muitas páginas abertas. Outra foi a melhora que houve na página das apps, agora integrada com o navegador. A loja ainda pode ser acessada por aqui. Lembrando que o Firefox 4 ainda não roda plugins da versão anterior, mas por algum tempo, já que logo vários deles se atualizarão e estarão prontos para serem utilizados.

Internet Explorer 9
Dos três, o Explorer é o mais defasado na questão complementos. Mas muito defasado, mesmo. Também, é o que tem a loja menos popular. No fundo, parece que quem usa o navegador não se importa com complementos. Porém, o IE9 pode ter boas extensões, assim como os outros, como o tradutor da Google e do Bing (lógico que eles tem preferência pelo último), os aplicativos para e-mail e outros mais. Se você usa o Explorer como seu navegador, vale a pena dar uma olhada aqui.


 

Recursos

A concorrência acirrou e fez com que os browsers buscassem ter, cada vez mais, suportes aos novos recursos, como o WebGL, HTML 5 e CSS3. Além disso, uma novidade presente em alguns dos navegadores de nova geração é o uso da GPU para o carregamento de algumas páginas que utilizem muito a parte gráfica, como as que contém muitas fotos ou vídeos. Isso faz com que essas páginas rodem de maneira muito mais rápida. Esse recurso é desativado quando não está em uso, o que reduz o consumo de energia da máquina.

Google Chrome 10
A primeira melhoria a ser notada no Chrome é no suporte ao Javascript. Agora o navegador utiliza seu antigo motor java com incrementos, o que o ajuda a rodar melhor alguns formatos.

O navegador da Google agora também tem suporte para o HTML 5, que já vem sendo citado há alguns anos como uma revolução para a internet. Mais do que isso, ele consegue rodar imagens 3D devido à tecnologia WebGL. Você pode ver vários vídeos de como isso funciona aqui. Ou no exemplo:


O Chrome sempre foi uma referência de segurança, mas nunca é demais citar que algumas melhorias foram feitas, como a certificação do próprio usuário na hora de abrir um arquivo, por exemplo. A Google também afirmou que, assim como na sua versão anterior, o Google Chrome 10 tem a ajuda na aceleração de gráficos via GPU o que, como já foi dito, acelera e muito o carregamento de algumas páginas.

O navegador tem um ótimo recurso nativo para quem utiliza mais de um computador que é o compartilhamento de favoritos. Para isso, os sites devem estar sob uma conta do gmail, então basta o usuário ir em Opções > Coisas pessoais > Sincronização > Personalizar. O navegador pode fazer isso com a opção auto-completar também, o que ajuda caso você utilize computadores públicos, onde pode encontrar algum keylogger.

Mozilla Firefox 4
O Firefox corrigiu alguns problemas e aumentou sua compatibilidade com novos formatos. Por exemplo, antes o navegador chegava a utilizar 200 MB da memória RAM para executar algumas ações simples. Com a nova versão esse quesito foi otimizado e agora sua média fica entre 140 e 150 MB. Lembrando que esse número aumenta conforme aumentam o número de abas abertas.

Assim como o Chrome, no Firefox a opção de compartilhar favoritos é nativa do navegador. Basta o usuário clicar no botão Firefox, que está em laranja no navegador e ir em Opções>Opções>Sync, e criar sua conta.

Além desses, o Firefox agora tem suporte para WebM - formato de vídeo de código aberto, HTML 5 - nova versão de html que elimina a necessidade de plugins, SVG - linguagem XML para gráficos vetoriais e CSS3 - nova versão do Cascading Style Sheets. O Mozilla também conta com aceleração gráfica pela GPU.

Internet Explorer 9
Sobre o IE 9, a principal revolução em relação ao seu antecessor, e também em relação aos seus concorrentes, são as melhorias técnicas. Nem parece mais aquele browser da Microsoft, que era lento, demorava a carregar páginas e abas e, se seu computador fosse um pouquinho mais desprovido de hardware, demoraria longos segundos até abrir o navegador e cada aba. Agora ele está mais leve, com uma navegação fácil e rápida. Pudera, esse foi o grande investimento da Microsoft no browser, e já há alguns meses a empresa vem divulgando vídeos falando sobre isso, como o que você confere abaixo (em inglês).


Toda essa melhoria em velocidade se deve a vários fatores, como já foi falado, mas o principal deles é o processamento de gráficos através da GPU. Sim, assim como nos outros navegadores isso também acontece no IE9 mas, talvez devido ao investimento pesado feito pela Microsoft, no Explorer isso acontece de maneira muito mais rápida e estável, como os testes feitos por nós vão mostrar, na próxima página. Devido a essa acelaração gráfica, o IE 9 é o navegador que melhor trabalha com o HTML 5.

Outra grande melhoria que a Microsoft realizou sobre o IE 9 foi a questão de segurança. O browser conta com mais recursos de proteção de privacidade e, segundo a empresa, terá atualizações de segurança mais frequentes. Pesquisas feitas pelo NSS Lab também afirmaram que o Explorer 9 é o browser mais seguro que já foi colocado no mercado, emitindo alerta contra 99% dos programas maliciosos voltados para engenharia social, contra apenas 14% do Firefox, por exemplo. O IE também permite que você escolha, inclusive, quais informações você autoriza que determinados sites recolham sobre sua navegação.


Outro recurso interessante do Explorer 9 é a total integração com o Windows 7. Assim, você pode colocar seus favoritos na barra de ferramentas de suas janelas do Windows, ou trabalhar com janelas divididas na tela, recurso que a empresa chama de Aero Snap.

 

Acid3

Muitas mudanças, todo mundo falando sobre as novidades em seus browsers, mas vamos ao que interessa, os testes.

Fizemos três testes com cada browser, e cada teste foi repetido duas vezes para vermos se não havia grandes diferenças. De fato não houve, o que mostra que eles podem ser confiáveis.

O primeiro teste é o Acid3, que é muito difundido e é utilizado para verificar a compatibilidade do browser. Se o browser tirar uma nota baixa, significa que provavelmente ele não será compatível com sites feitos com tecnologia de ponta, causando distorções ao abrir. Quanto maior o número, mais compatível o navegador é.

Google Chrome 10

Mozilla Firefor 4

Internet Explorer 9


*Vale lembrar que o Internet Explorer 8 tinha compatibilidade de apenas 20/100

Os outros testes que fizemos foram o Peacekeeper, desenvolvido pela Futuremark, e o Webvizbench, que analisa a velocidade e compatibilidade dos browser em rodar páginas com alta necessidade gráfica, como as que utilizam o HTML 5.

 

Peacekeeper

O Peacekeeper é um teste feito para constatar a velocidade real do browser rodando na sua máquina, logo, ele é diretamente influênciado pelas configurações do seu computador. Dentre outras coisas, ele testa a renderização, as operações em DOM e o processamento de gráficos feito pelo navegador. Vale ressaltar mais uma vez que o teste leva muito em conta as configurações da sua máquina, mas como usamos a mesma máquina nas mesmas condições para os três testes, podemos ter uma ideia do desempenho dos browsers. Se você quiser fazer o teste em seu computador, é simples, basta acessar o site do Peacekeeper e seguir as instruções para tirar a dúvida sobre qual deles se sai melhor na sua máquina.

O computador que utilizamos para os testes tem processador Intel Core 2 Quad, Q9550 de 2.83GHz. A memória ram é de 4GB e ele tem 150GB de HD. A placa-mãe é da Gygabite e o modelo é o EP45-DS4P. A Placa de vídeo é uma Nvidia GeForce GTX 280.

Nos nossos testes, o browser que melhor se saiu foi o Google Chrome, chegando a ter quase o dobro de pontos do segundo colocado, como você pode ver abaixo:

{benchmark::1643}

Um bom recurso do Peacekeeper é dividir o resultado pela análise de diversas funções executadas pelo navegador. O gráfico feito pode ser visto pelo usuário após o final dos testes, e os nossos foram estes:

Google Chrome 10

Internet Explorer 9

Mozilla Firefox 4

 

Webvizbench

A ferramenta Webvizbench é utilizada principalmente para testar a compatibilidade do navegador com o HTML 5. Dessa forma, ela analisa o processamento gráfico do navegador de uma maneira diferente que o Peacekeeper, por exemplo.

Cabe ressaltar que a própria criadora do teste destaca o Internet Explorer 9 como melhor "plataforma", então já esperava-se que ele tivesse um desempenho superior, como de fato ocorreu. Isso se deve principalmente ao fato do navegador da Microsoft ser o que melhor conseguiu integrar a utilização da GPU, embora todos os outros tenham anunciado que utilizam a placa de processamento gráfico em seus processos.

{benchmark::1644}

{benchmark::1645}

 

Conclusão

Pelas análises dos benchmarks, podemos ver que atualmente, o melhor browser para navegar na maioria das situações é o Google Chrome, embora as novas versões, tanto do Mozilla Firefox, como do Internet Explorer, sejam muito superiores às suas anteriores. Porém, se analisarmos as tecnologias para o futuro, como o suporte ao ainda pouco difundido HTML 5, que será uma verdadeira revolução na internet, e melhorias técnicas para que o browser consiga processar gráficos pesados, o que possíbilitaria, inclusive, jogar bons jogos direto no navegador, o Internet Explorer é melhor que a concorrência. Quanto ao Firefox, podemos colocar como qualidade principal a quantidade de complementos disponíveis.

Na verdade, notamos muito pouca diferença em uso entre os browsers, diferente do que acontecia com as versões anteriores. Quando o Google Chrome foi lançado, por exemplo, ele era muito mais leve e rápido que a concorrência. Hoje, somente com os testes conseguimos concluir qual deles é o mais eficiente. Dessa forma, também acreditamos que os usuários não devem ter uma grande inclinação para um navegador por ele ser muito melhor que os outros, pois estão todos muito parecidos, até mesmo no design.

Quanto às superioridades que acontecem com um browser, em um determinado quesito, como a quantidade de complementos do Firefox ou do HTML 5 rodar melhor no Explorer, essas diferenças devem ser compensadas com o tempo, e com as empresas investindo em "não ficar atrás da concorrência". Então, podemos esperar que as próximas versões dos navegadores torne-os ainda mais semelhantes. Provavelmente, que vai diferenciá-los vai ser o investimento em novas tecnologias que estão por vir. Resta-nos esperar e ver os próximos capítulos da novela que envolve os navegadores, e já deixou suas vitmas pelo caminho, como o finado Netscape.